Sites Grátis no Comunidades.net
Crie seu próprio Site Grátis! Templates em HTML5 e Flash, Galerias em 2D e 3D, Widgets, Publicação do Site e muito mais!

 voadores da corvina (pombos)


Translate this Page

Rating: 3.1/5 (53 votos)




ONLINE
1






Total de visitas: 5254
DOENÇAS DOS POMBOS CORREIOS

Guia Prático De Doenças De Pombos-Correios

 

Constantes Fisiológicas Do Pombo

Temperatura 38,8º - 40º C

Peso Médio:
= 450 - 500 grs. = 400 - 450 grs.

Ingestão de agua: 30 - 60 cc por dia (45 cc em média) 1 litro de agua para 20 pombos. Aumentar para o dobro durante o Verão (60 - 100 cc) Ingestão de alimentos 30 gramas por dia (média)

 

Conselhos práticos e regras de tratamento

Tratamento: A. - Curativo - Sintomático - Geral

B. - Preventivo ou Profiláctico (higiene, vacinas, etc.)

C. - Coadjuvante (por exemplo: antibióticos em doenças virósicas)

 

Administração Dos Medicamentos

Forma injectável:

Subcutânea (debaixo da pele do pescoço)

Forma oral:

1. - Por cápsulas ou comprimidos (tratamento individual)
2. - Na agua de bebida: administrar a quantidade justa de agua que se consome por dia de acordo com a época do ano (inverno ou verão). As vitaminas na agua ficam inactivas dum dia para outro. 3. - No alimento: não se recomenda.
4. - Tópicos: com um cotonete - ou palito com algodão (caso Muguet, trichomoniasis, viruela, etc)

Dosificação:

Insuficiente: Não produz a cura desejada e produz resistência ou habituação. Sobredose: Pode provocar efeitos muito prejudiciais (caso sulfas) Medidas: 1 colher de café = 1.5 - 2 grs.
1 colher de chá = 3,5 - 4 grs. 1 colher sopa = 8 - 10 grs. 1 colher sopa = 15 grs. 20 gotas = 1 ml. = 1 cc

Importante:

Sempre que se administrem antibióticos (tetraciclinas, tilosina, eritromicina, etc), há que fornecer conjuntamente vitaminas, electrolitos, aminoácidos e reconstituintes da flora intestinal. (Ex.: ácido filofago, yoghurt)

No caso de administrar TETRACICLINAS (terramicina MR), suprimir o GRIT durante esses dias dado que os sais de cálcio precipitam o antibiótico e o desactivam. Não usar simultaneamente produtos interactivos: podem produzir interferência, sinergismo, antagonismo ou alteração do efeito desejado.

Profilaxia ou prevenção

Desinfecção do pombal e das instalações: actualmente a IODINE POVIDONA é o desinfectante por excelência. Tem acção bacteriana, viricida e fungicida. Aplicá-lo com spray cada vez que seja limpo o pombal (mínimo uma vez por semana). Diluição: 20 cc num litro de agua.

LISTA DE DOENÇAS

INFECCIOSAS

BACTERIANAS

(bactéria)

SALMONELOSIS OU PARATIFOSIS
PASTEURELOSIS OU CÓLERA
CORIZA
ORNITOSIS
MICOPLASMOSIS
VIRÓSICAS (vírus) NEW CASTLE OU PARAMIXOVIRUS
ADENOVIRUS
HERPES VIRUS
DIFTERO - VIRUELA
MICÓTICAS
(fungos)
ASPERGILOSIS
CADIDIASIS OU MUGUET

PARASITARIAS

INTERNOS COCCIDIOSIS
ASCARIDIOSIS
CAPILARIOSIS
TENIASIS
PROTOZOARIOS PLASMODIOSIS OU MALARIA
HAEMOPROTEOSIS
TRICHOMONIASIS
EXTERNOS PIOLHOS
ACAROS
DIPTEROS (moscas)
CARRAÇAS

 

SALMONELOSIS OU PARATIFOSISDoença dos pombos jovens que lhes causa uma morte prematura sem sintomas específicos. Os pombos adultos que se curam transformam-se em portadores e continuam eliminando salmonellas, pelo que sempre é preferível eliminá-los. Na postura podem transmitir a doença através dos poros da casca dos ovos.
AGENTE CAUSAL: Salmonella Typhimurium
TRANSMISSÃO: Oral: Pelo alimento ou na agua da bebida. Aérea: Por inalação do pó. Ovárica: Do ovário ao ovo.
SINTOMAS: 4 formas 1 - Intestinal: Diarreia com fezes espessas rodeadas de mucos, elementos não digeridos em agua suja de cor parda ou verde, espumoso. Engrossamento da cloaca. Adelgaçamento. 2 - Articular: do intestino passa ao sangue e daí ás articulações de maior movimento (cotovelo). Asa caída
3 - Orgânica: ataca todos os órgãos manifestando-se com uma respiração curta e debilitamento geral. 4 - Nervosa: ataca o cérebro e a espinal medula produzindo: - perda de equilíbrio - paralisia - torticolos (parecido com New Castle)
DIAGNOSTICO Serológico, ou seja os anticorpos do sangue dos animais infectados.
TRATAMENTO: Antibióticos: - Tetraciclinas - Enrofloxacina - Furazolidona Mínimo 15 dias, por isso não convêm.
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção (pelo menos semanal) 1 - 2 dias de antibióticos cada 15 dias Vitaminas
IMPORTANTE: É uma ZOONOSE (pode contagiar o homem por contacto directo)

 

PASTEURELOSIS OU COLERATanto pode atacar uns poucos pombos, como também provocar uma epidemia. Normalmente termina dum modo fatal. A superpopulação e a falta de higiene são dos factores causadores mais importantes.
AGENTE CAUSAL: Pasteurella multocida
SINTOMAS: Febre alta 42 º - 43º C Diarreia
Morte entre 24 - 48 hs.
TRATAMENTO: Tetraciclinas Enrofloxacina Vitaminas
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção (iodo povidona)

 

CORIZA
AGENTE CAUSAL: Hemophilus influenzae
SINTOMAS: Lágrimas nos dois olhos ao mesmo tempo. Inchaços dos sacos lacrimais (cabeça de mocho). Leve descarga nasal (muco)
DIAGNOSTICO: Exame bacteriológico das secreções nasais e oculares.
TRATAMENTO: Antibióticos - Vitaminas.
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção (iodo povidona)

 

MICOPLASMOSISMicoplasma - Microorganismo a meio caminho entre uma bactéria e um vírus. Os pombos curados adquirem imunidade, no entanto passam a portadores e transmissores da doença aos borrachos. Esta doença está geralmente associada á ORNITOSIS.
Muitos pombos são portadores, as doenças aparecem depois do esforço de concursos difíceis.
AGENTE CAUSAL: Micoplasma
SINTOMAS: Secreção nasal húmida, aquosa e se torna pegajosa e purulenta. No interior da boca uma crosta cinzenta, rugosa.
Língua e paladar pegajosa. Hálito muito desagradável (repulsivo). Nariz de cor cinza suja. Respiração muito dificultada. Ruídos de ressonar muito fortes à noite. Evolução muito lenta. Rara vez há infecção generalizada mas o diminuir das defesas (stress, concursos, falta de higiene, superpopulação etc.) pode originar eclosão da doença e provocar mortes.
DIAGNOSTICO: Exame serológico dos anticorpos dos pombos atacados.
TRATAMENTO: Tilosina (Tylla MR) ENROFLOXACINA. Administrar 5 dias consecutivos
PROFILAXIA: Desinfecção a fundo. Podem-se realizar tratamentos preventivos nas semanas livres das épocas de concursos, sobretudo depois dos concursos difíceis.

 

ORNITOSIS
AGENTE CAUSAL: Clamidia
SINTOMAS: Similares a uma gripe. Secreção nasal e ocular parecido com a micoplasmosis. Diarreia----> adelgaçamento lento---> morte.
DIAGNOSTICO: Laboratório (método Stamp)
TRATAMENTO: Clortetraciclinas + Tilosina.
PROFILAXIA: Desinfecção a fundo.
IMPORTANTE: OLHO É UMA ZOONOSE.

 

NEW CASTLE OU PARAMIXOVIRUS
AGENTE CAUSAL: Paramixovirus aviar tipo 1
SINTOMAS: 1 - Transtornos digestivos: Virus - vicerotropo - Excrementos aquosos ----> líquidos (como agua) - Sede intensa (pode aumentar 4-5 vezes o consumo) 2 - Transtornos nervosos: - vírus neurotropo - Ligeiros tremores de cabeça. - Dificuldade para picar os grãos (afecta o nervo óptico). - Problemas de equilíbrio: o pombo tibuteia, e cai para um lado ou para trás (piruetas) - Torticolos: de 0º - 180 º - Problemas na vista com descoloração de um olho. - Paralisia duma asa ou das duas. - Paralisia duma pata ou das duas. 3 - Transtornos Respiratórios(Vírus neumotropo) - Conjuntivite, coriza, estertor. (São pouco frequentes)
DIAGNOSTICO: De laboratório, por exame virológico do sangue.
TRATAMENTO: Eliminar pombos doentes de pouco valor. Isolar os pombos que queremos tratar. Reduzir à normalidade o consumo de agua (50 c por dia).
Encher bem os comedouros ou dar-lhes de comer com manga ou seringa.
Administrar conjuntamente: Antibióticos (Tetraciclinas, enrofloxacina, etc.) Aminoácidos Vitaminas Levamisol (como estimulante das defesas).
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção do pombal
VACINAÇÃO: a) Vírus morto: ou inactivo em solução aquosa.
Intramuscular ou subcutânea. Imunidade: um ano COLOMBOVAC (Holanda)
b) Vírus vivo: Cepa B1 ou La Sota. Na agua da bebida e por gota nasal ou ocular. Imunidade : 2 meses. Aos 4 dias de aplicação da vacina ao vírus vivo é conveniente realizar o seguinte Shock: Levamisol: 1-2 dias Vitaminas, Antibióticos e Aminoácidos: durante 4-5 dias.
IMPORTANTE: É obrigação do columbófilo denunciar ou comunicar à sua sociedade o surto desta doença no seu pombal, para que todos os columbófilos tomem as precauções devidas.

 

ADENOVIRUSO pouco que se conhece desta doença é que é provocada por um vírus que tem a sua preferencia pelos órgãos do sistema linfático (ganglios,bazo). Daí o seu nome.
AGENTE CAUSAL:  
SINTOMAS: Durante a criação é muito comum observar o crescimento desigual dos borrachos. Os vómitos frequentes são um dos sintomas mais característicos da doença.
TRATAMENTO: Substancias homeopáticas.
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção dos pombos.

 

HERPES VIRUSDoença virósica de aparição recente. Tem havido alguns casos em Buenos Aires.

 

DIFTERO VIRUELA
AGENTE CAUSAL: Borrelia columbae (virus)
CONTÁGIO: Pela agua de bebida, alimento, material fecal, pó, picada de mosquitos, feridas, etc. Os borrachos são os mais susceptíveis. Adultos raramente ficam doentes.
SINTOMAS: Típicas formações crostosas branco amarelentas, difíceis de desprender (sangrentas), nos olhos, nariz, bico, articulação das patas, boca, garganta, em redor da cloaca.
TRATAMENTO: Separar as excrescências e aplicar tópicos de tintura de iodo. Dar antibióticos e vitaminas (sobretudo vitamina A) durante 4-5 dias
PROFILAXIA: Limpeza e desinfecção (iodo povidona).
IMUNIDADE: O pombo curado adquire imunidade para toda a vida.

 

COCCIDIOSIS
AGENTE CAUSAL: Duas espécies de parasitas diminutos: Eimeria Labbeana Eimeria Columbarum
SINTOMAS: Duas formas: Subclinica: próprio dos pombos adultos. Não há sintoma mas diminui o rendimento desportivo. Há uma certa imunidade. Propriamente dita: Ataca os borrachos a partir da terceira semana de idade. Material fecal aquosa e descolorida, ás vezes é sanguinolenta (nunca é líquida e verde). Perda de peso e forma. Perda de cor da Íris do olho mudança para grisalho. Mucosa da boca e da garganta ficam pálidas (anemia) Plumagem opaca.
DIAGNOSTICO: Análises de material fecal.
TRATAMENTO: Sulfamidas "o uso continuado no olho, provoca danos a nível renal" Amprolium Cloazuril Toltazuril (Baycox Mr.)
PROFILAXIA: Alternar as drogas acima mencionadas cada 30 dias em forma preventiva. Podem-se administrar juntamente com o tratamento contra trichomonas. Uma vez terminado o tratamento dar um choque vitamínico durante 3-4 dias. Limpeza a fundo e desinfecção geral (não esquecer que os ovos de coccidios se reproduzem na material fecal acumulada no chão ou bandejas sendo necessárias três condições: temperatura, humidade e oxigénio. Por isso devemos evitar a humidade).

 

ASCARIDIOSIS
AGENTE CAUSAL: Ascaris Columbae. O ciclo em que o ovo do parasita é eliminado por via fecal, vai ao solo, se desenvolve a larva e novamente é ingerido, amadurece e novamente eliminado é de 20 dias (daí se recomenda tratamentos preventivos cada 21 dias)
SINTOMAS: Poucas lombrigas causam pouco dano, mas se o número aumenta em demasia produz-se uma diminuição do rendimento desportivo causando muitas perdas. - Anorexia (perda de apetite) - Perda de peso.
- Debilidade - Material fecal pouco consistente. - Sede intensa.
- Anemia - Plumagem opaca e eriçada. - Os parasitas podem ver-se nos excrementos e ás vezes nos vómitos. Os danos que estes parasitas provocam são imputados a 3 razões: 1 - Ás feridas que provocam na parede intestinal 2 - Porque absorvem muitos elementos nutritivos. 3 - Porque excretam substancias tóxicas.
DIAGNOSTICO: Análises de matéria fecal.
TRATAMENTO: Existem diferentes drogas: - Levamisol -RIPERCOL MR - Piperazina - Ivermectina (Ivomec Mr)
PROFILAXIA: Tratamento alternado com as drogas mencionadas cada 30 dias, desta maneira diminuímos a possibilidade de habituação da droga. Não esquecer que o LEVAMISOL é um excelente inmunomodulador (estimulante das defesas) por isso cada vez que vacinemos contra New Castle se torna imprescindível a sua utilização. Os animais velhos desenvolvem uma certa imunidade. Limpeza - higiene. - Desinfecção

 

CAPILARIOSIS
AGENTE CAUSAL: Capillaria obsignata Considera-se que este parasita está presente em 50 % dos pombos, mas particularmente são mais sensíveis os animais jovens.
SINTOMAS: Uma infestação leve praticamente não produz sintomas, somente diminuição dos rendimentos desportivos. Mas se a infestação é grave, podem chegar a morrer borrachos uma semana depois de começar a doença.
DIARREIA----> ADELGAÇAMENTO-----> MORTE
DIAGNOSTICO: Idem ascaridiosis.
TRATAMENTO: Idem ascaridiosis. (NO PIPERAZINA)
PROFILAXIA: Idem ascaridiosis

 

TENIASISDesta infecção só quero manifestar que é importante como profilaxia, combater todos os hóspedes intermediários (larvas de mosquitos, baratas, lesmas, caracóis, etc.) As ténias ou os anéis de ténias são ás vezes visíveis na cloaca do pombo. É comum que apareçam em pombos que tenham estado extraviados durante certo tempo. O tratamento é individual. - Niclosamida.

 

TRICHOMONIASIS
AGENTE CAUSAL: Trichomona Columbae (um protozoário)
Consideramos que 80% dos pombos velhos são portadores, podendo passar despercebidos. Diz-se com frequência que os pombos velhos vivem em equilíbrio com as trichomonas em consequências nefastas. Nos borrachos é fatal.
SINTOMAS: - Apatia - Plumagem eriçada. - Diarreia viscosa ---> adelgaçamento. - sede intensa - Anorexia (falta de apetite) - Dispneia (dificuldade respiratória: postura de pinguim) - Placas branco amarelentas na boca e garganta
DIAGNOSTICO: Exame microscópico de isopado do bucho e esófago.
TRATAMENTO: Dimetridazol (EMTRIL MR) 1 gr. por litro de agua durante 7 dias. METRONIDAZOL RONIDAZOL
PROFILAXIA: Higiene e desinfecção geral.
IMUNIDADE: Uma pequena quantidade de trichomonas em pombos em bom estado de saúde provoca seus próprios anticorpos.

 

PLASMODIOSIS OU MALARIADoença das zonas litorais (proximidade a rios)
AGENTE CAUSAL: Um esporozoario do género PLASMODIUM
EPIZOOTIOLOGIA: Há três factores que condicionam a manutenção e o desenvolvimento da malária: - Aves portadoras ou doentes.
- Mosquitos transmissores (culex, haedes, anopheles). - A temperatura, as chuvas e a flora da região (elementos essenciais para a reprodução do mosquito)
SINTOMAS: - Apatia - Febre de tipo remitente (sobe e baixa) - Anemia (daí o olho e as mucosas brancas) - Debilidade geral - Morte nos borrachos. Depois desta fase aguda, onde os sintomas são evidentes, a plasmodiosis entra num período de diminuição de suas manifestações clínicas e da parasitemia endoglobular chegando a uma etapa de normalidade entre os 30 - 40 dias de começo dos sintomas.
DIAGNOSTICO: Exame do sangue (método) de Giemsa.
TRATAMENTO: Plasmodicidas utilizados na malária humana: Quitina
Atebrina Plasmoquina Cloronquina Pludrina Por ex.: a cloroquina ou ARALEN MR (2 mg por kg. de peso ou seja 1 mg. por pombo) 3 doses dia em média
PROFILAXIA: Evitar o mosquito:

-Tela metálica -Fuyi Vape -Kaotrina

IMUNIDADE Os animais curados desenvolvem um certo grau de imunidade

 

HAEMOPROTEOSIS
AGENTE CAUSAL: Haemoproteus Columbae. Tem um hóspede definitivo, uma mosca hematógrafa (que se alimenta de sangue), a pseudolynchia canariensis. O hóspede intermediário é o pombo. É necessário que a mosca infestada pique o pombo para que nele se desenvolva a doença.
SINTOMAS: Observável somente nos meses de verão. Os sintomas são muito similares aos da plasmodiosis daí a ser possível a confusão (época e sintomas) As moscas que sugam sangue infectado são capazes de transmitir a haemoproteosis 15 dias mais tarde e 25 - 30 dias depois começam os sintomas: - Febre recorrente (sobe e baixa) 43 º C - Diarreia: Fezes brancas ou branco amarelentas, liquidas e persistentes. - Dispneia: aumento da frequência respiratória. - Anemia gradual - Caquexia : Enfraquecimento quando a doença se torna crónica.
DIAGNOSTICO: Exame do sangue (método) de Giemsa.
TRATAMENTO: NENHUM
PROFILAXIA: Combater a mosca: Kaotrina

 

CANDIDIASIS OU MUGUETAlguns autores descrevem esta doença em forma conjunta com a trichomoniasis e outros falam de uma doença micótica associada a uma carência de vitamina A.
AGENTE CAUSAL: um fungo: CANDIA ALBICANS
SINTOMAS: Placas branco amarelentas (fáceis de desprender) em toda a mucosa da boca e da garganta
TRATAMENTO: Aplicações tópicas com iodo povidona a 10% ou com tintura de iodo débil (diluída com glicerina) nas placas. Administrar Vitamina A.
PROFILAXIA: - EVITAR O ARMAZENAMENTO PROLONGADO DOS ALIMENTOS - DAR SOL AOS ALIMENTOS - VITAMINA A - DESINFECÇÃO DO POMBAL

 

ASPERGILOSIS
AGENTE CAUSAL: Um fungo, Aspergilium fumigatus. Se reproduz rapidamente na palha dos ninhos, ou no alimento húmido.
SINTOMAS: É uma infecção do grupo das doenças respiratórias. Apresenta-se em duas formas: FORMA PULMONAR: Dificuldade respiratória (dispneia) Excrescências esverdeadas sobre a língua e paladar.
FORMA DERMATOLOGICA: Pele pelada e com fracturas de plumas
TRATAMENTO: Não existe nenhum que seja efectivo
PROFILAXIA: Pombal seco, bem arejado Evitar a humidade no alimento.
Desinfecção (iodo povidona)

 

PIOLHOS, ACAROS, DIPTEROS (moscas), CARRAÇAS.Respeitante ao tema não vou estender-me, somente direi que existem piolhos, ácaros, moscas e carraças nos pombos e que provocam imensos danos na plumagem, ás vezes seriamente. A melhor forma de combatê-los é mediante um banho de aspersão mas nunca de imersão. Também há que ter em conta que os produtos derivados das piretrinas (por ex.: kaotrina) são tóxicos para as aves, e ainda que não se manifestem sintomas de intoxicação, podem provocar baixos rendimentos nos concursos. CARBARIL 5 % (em pó)
NUNCA UTILIZAR GAMEXANE

DOENÇAS CARENCIAIS E METABÓLICASDentro deste grupo de infecções foram englobadas aquelas que são produzidas por carências (de vitaminas, minerais ou aminoácidos) e tumores.

VITAMINAS E SUAS CARÊNCIAS

È praticamente impossível produzir uma hipervitaminose ou sobredose de vitaminas. Todo o excesso ingerido, o animal o metaboliza e o elimina.

DEFINIÇÃO:

As vitaminas são substancias orgânicas existentes nos alimentos, incapazes de ser sintetizadas pelo organismo em quantidades adequadas sendo utilizadas em pequenas doses, para o normal funcionamento e manutenção do organismo e da saúde do mesmo. Desta definição surge a necessidade de que devem ser fornecidas periodicamente para evitar transtornos
VITAMINAS:

(necessidades por dia e por pombo)

VITAMINA A: 200 UI
VITAMINA D3: 45 UI
VITAMINA E: 1 mg
VITAMINA C: 0.7 mg
VITAMINA B1: 0.1 mg
VITAMINA B2: 0.12 mg
VITAMINA B6: 0.12 mg
NICOTINAMIDA  
VITAMINA B12 0.24 mg
BIOTINA: 0.002 mg
AC. PANTOTECNICO: 0.36 mg
AC. FOLICO: 0.014 mg

 

VITAMINA A:
Acção: Indispensável na formação dos capilares sanguíneos. Forma parte dos pigmentos da retina (olho). Actua na formação de todos os revestimentos do epitélio. Utiliza-se como coadjuvante em doenças infecciosas e antiparasitarias. Também se utiliza como substancia anti-stress e acompanhando as vacinações.
Carência: Ás vezes conduz á destruição do olho (se assemelha a uma criza). Exudado viscoso nas fossas nasais. Consideram-se patognomónicas os nódulos ou pústulas brancas, do tamanho da cabeça dum alfinete, que se veem na boca, faringe, origem do esófago e estômago.

 

VITAMINA D O organismo animal a sintetiza a partir dos raios ultravioletas, daí a importância do sol nos pombais.
Acção: Sua acção fundamental é promover a absorção e fixação do cálcio e fósforo no esqueleto.
Carência: Deformação do esterno. Ossos frágeis. Ovos com casca delgada e mole. Bico e unhas moles e frágeis. Atraso de crescimento.
Problemas na plumagem. Uma carância prolongada conduz ao "raquitismo"

 

VITAMINA E
Acção: Actua na manutenção da função reproductora das aves. Aumenta a fertilidade dos ovos.
Carência: Pode produzir: Encefalomacia: transtornos motores e flexão ventral da cabeça. Distrofia muscular, estrias brancas ao longo das fibras musculares dos músculos peitorais.

 

VITAMINA K
Acção: Intervem no processo normal da coagulação do sangue. Se utiliza como coadjuvante nos tratamentos de doenças que produzem anemias (coccidiosis, etc.)
Carência: Provoca hemorragias----> Anemia

 

VITAMINA C: É prácticamente a única vitamina que o organismo das aves pode sintetizar en quantidades suficientes.
Acção: Sua principal acção é formar e manter a materia intercelular. Também actua no reforço do calcio e do fósforo. Utiliza-se como anti-stress e como coadjuvante em doenças infecciosas e parasitarios

 

VITAMINA B1 OU TIAMINA:>
Acção: È uma vitamina antineurítica (anti-nervosa) Também é necessária no metabolismo dos hidratos de carbono.
Carência: Pode produzir: - Sintoma nervoso como ser opistótonos, paralisia das patas e dos músculos. - Atrofia dos órgãos genitais

 

VITAMINA B2 RIVOFLAVINA:
Carência: Diarreia Atraso no crescimento Paralisia das patas, apoio dos tarsos e dobra dos dedos para dentro

 

VITAMINA B6 OU PIRIDOXINA:
Carência: Anorexia (perda de apetite) Atraso no crescimento
Sintomas nervosos: convulsões espasmódicas corridas, saltos.

 

ACIDO NICOTINICO OU NICOTINAMIDA:
Acção: Essencial no metabolismo dos hidratos de carbono (açúcares)
Carência: Pode produzir: Inflamações na boca, faringe, e esófago.
Inflamação da rótula do joelho e arqueamento das patas.

 

BIOTINA:
Carência: pode produzir dermatitis nas patas (patas ásperas, com greta e necrose)

 

ACIDO FOLICO:
Carência: Pode produzir. - Anemia. - Atraso de crescimento
- Problemas na plumagem, - PEROSIS: È uma carência conjunta com a falta de manganes (Mn). Produz-se um deslizamento do tendão dos gastronemios fora da poleia óssea da articulação tarsiana por isso os ossos sofrem uma torsão para fora. (na maioria das vezes numa só pata)

 

ACIDO PANTOTENICO:
Carência: Os sintomas são muito dificeis de separar dos sintomas provocados pela carencia de Biotina.

- Dermatitis - Rotura das penas - Perosis
- Atraso no crescimento

 

VITAMINA B12 OU CIANOCOBALAMINA:
Acção: È a chamada vitamina antianémica. Junto com o Cobre e o Cobalto, são indispensáveis na formação dos elementos do sangue. (eritropoyesis)
Carência: Atraso no crescimento Anemia Transtornos na muda da pena Baixa na fertilidade dos ovos. È importante realçar que todas as vitaminas do grupo B são menos estáveis que as restantes (oxidam-se rápidamente) por isso devem ser usadas em quantidades que se consumam diáriamente e não deixá-las nos bebedouros até ao dia seguinte. Também é importante saber que as vitaminas do grupo B, actuam interrelacionadas entre si, por isso a carencia duma delas significa que devemos fornecer o chamado "complexo B".

MINERAIS

DEFINIÇÃO:

São substâncias indispensáveis para muitos processos do organismo animal. Na natureza apresentam-se sob a forma de diferentes sais.
È importante realçar que ao submeter complexos minerais às aves estas regulam sua ingestão de acordo com as suas necessidades. Em seguida alguns dos minerais mais importantes e sua acção principal dentro do organismo das aves:

SODIO (Na)

Actua na absorção da agua e sua posterior eliminação (diuresis)

CALCIO (Ca) E FOSFORO (P)

São fundamentais junto com a vitamina D na formação dos ossos

POTASSIO (K)

Actua no funcionamento do músculo cardíaco (tom cardíaco)
Também actua sobre a diuresis.

MAGNESIO (Mg)

Está relacionado intimamente com o Ca e P.

IODO (I)

É fundamental para o normal funcionamento da glândula tiróides.

MANGANESIO (MN)

Necessário para o crescimento e reprodução. Sua carência como vimos mais atrás provoca PEROSIS (deslocação dos nervos gastronemios fora da poleia tarsiana com luxação, geralmente duma pata virada para fora)

COBRE (Cu) E COBALTO (Co)

São fundamentais junto com a vitamina B12, na eritorpoyesis (significa formação dos elementos do sangue: glóbulos)

FERRO (Fe)

Componente essencial da hemoglobina do sangue.

 

AMINOACIDOS

DEFINIÇÃO:

São substancias que o organismo animal sintetiza a partir do nitrógeno ingerido, sendo estes a base da formação das proteínas. (Uma proteína é uma cadeia de aminoácidos). Os aminoácidos essenciais são aqueles que o organismo não sintetiza em quantidades adequadas para manter o crescimento ou a nutrição normais, por conseguinte devem figurar na dieta que damos ás nossas aves. Em seguida detalho os 10 aminoácidos essenciais e seus requerimentos por pombo e por dia.:

(necessidades por dia e por pombo)

METIONINA 0.09 grs
LESINA 0.18 grs
VALINA 0.06 grs
LEUCINA 0.09 grs
ISOLEUCINA 0.055 grs
FENILALAGNINA 0.09 grs
TRIPTOFANO 0.02 grs
ARGININA  
HISTIDINA  
TREONINA  

QUIMIOTERAPICOS ANTI-INFECCIOSOS

CLASSE

NOME

ACÇÃO

DOSE

TOXICIDADE

SINTETICOS SULFAMETOXAZOL Bactereostático P.O.: 100mg/pombo/dia Pode formar cristais renais
TRIMETROPIN Bacteriostático P.O.: 10-20 mg./pombo 200 mg/litro de agua Uso combinado com sulfametoxazol
FURALTADONA
FURAZOLIDONA
Bacteriostático
Bacteriostático
P.O.: 7.5 mg/pombo/dia Amplio espectro activo contra micoplasma
ENROFLOXACINA Baytril MR Bactericida P.O.: 5-10 mg/pombo 200 mg/litro agua Amplio espectro activo contra micoplasma
BIOSINTETICOS OU
ANTIBIOTICOS
AMPICILINA
AMOXICICLINA
Bactericida   Não se recomenda seu uso em aves
TILOSINA Tylan Mr Bacteriostático P.O.:12-25 mg/pombo Indicado na micoplasmosis
NEOMICINA Bactericida P.O.:5-25 mg/pombo Utilizado em diarreias infecciosas
ESTREPTOMICINA Bactericida P.O.:50-100 mg/pombo Idem Anterior
CLORANFENICOL Bacteriostático P.O.:50 mg/pombo/2 por dia Administração prolongada provoca anemia fatal.
CLORTETRACICLINA Bacteriostático amplio espectro P.O.:15-25 mg/pombo dia/1-1.5 g/litro agua Retirar o grit durante sua administração
ANTIMICOTICOS NISTATINA Nstatin MR Candidiasis P.O.:100.000u/litro agua durante 3 semanas  
KETACONAZOL Candidiasis P.O.:12-15 mg/pombo 2 x dia/15 dias

ANTIPARASITAROS (ANTIHELMINTICOS)

CLASSE

NOME

ACÇÃO

DOSE

TOXICIDADE

CONTRA NEMATODES

GUSANOS REDONDOS

CONTRA TENIAS

PIPERAZINA Ascaris adultos P.O.:0.5 g/pombo/2dias  
LEVAMISOL RIPECOL mr Ascaricida
Capilaricida
P.O.:10-20 mg/pombo, 2 dias~400 mg/litro agua, repetir aos 15 dias Pode produzir vómitos passageiros.
IVERMECTINA Ivomec MR Parasitas internos e externos P.O.: 0.1 mg/pombo repetir aos 10 dias  
MEBENDAZOL Ascaris capilária e Ténias P.O.:5-7 mg/pombo/ 2 dias Pode diminuir a fertilidade e afectar plumagem na muda
ALBENDAZOL Vermix A MR Ascaris capilaria e Ténias   Idem anterior
NICLOSAMIDA Ténias P.O.:100 mg/pombo  
TRICHOMONICIDAS METRONIDAZOL Trichomonas P.O.:20-25 mg/pombo 5 dias 1gr/litro agua  
DIMETRIDAZOL EMtril MR Trichomonas P.O.:525mg/pombo 5 dias/0.5 gr/litro Uma sobredose é muito tóxica
RONIDAZOL Trichonazol MR Trichomonas P.O.:2 mg/pombo 5 dias/ em agua 2gr/litro  
COCCIDICIDAS SULFAQUINOXALINA Coccidios P.O.: 50mg/pombo 0.25 g/litro agua. Dar 3 dias descansar 3 e repetir 2 dias mais Produzem cálculos a nivel renal
SULFAMERAZINA Coccidios P.O.:1.5 g/litro agua Idem anterior
SULFADIMETOXINA Coccidios P.O.:0.5 g/litro agua Idem anterior
CLAZURIL Coccidios P.O.: 2.5 mg/pombo 1 dia Baixa ou anula toxicidade
TOLTRAZURIL Baycox MR Coccidios P.O.:7-15 mg/pombo 2 dias Idem anterior
AMPROLIUM Coccidios P.O.: 20 mg/pombo  

 

TEXTO DA WEB DE Carlos Fonseca


Criar um Site Grátis   |   Crear un Sitio Web Gratis   |   Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net